Sinistralidade – O que é quando falamos sobre Plano de Saúde?

Você sabe o que é sinistralidade

O universo da saúde é repleto de procedimentos, termos e dados que a princípio são bem vastos.

Um desses itens, é a sinistralidade em planos de saúde.

Como o plano de saúde é um dos itens mais desejados pelos trabalhadores brasileiros; as empresas que buscam manter os melhores funcionários, insere esse benefício entre os benefícios fornecidos pela empresa.

Mas infelizmente, por falta de conhecimento ou gestão de riscos, a maioria das organizações acabam migrando para planos mais baratos e sem muita qualidade, pois a conta aumentou e fica difícil de pagar e manter o convênio dos funcionários.

Isso porque um dos maiores impactos em planos de saúde corporativos tem uma ligação direta com a sinistralidade.

Afinal, você sabe o que é a sinistralidade nos planos de saúde?

Para toda e qualquer operadora de plano de saúde, sinistro é qualquer acionamento do plano.

Logo, a sinistralidade é quando se contabiliza todas as ocorrências de sinistros fazendo relação entre custos (que são os sinistros) e os prêmios (que são as receitas) da operadora.

Esse cálculo sendo efetuado é representado por um percentual.

Logo a sinistralidade pode ser “boa” ou “ruim”.

Pois quando o plano de saúde é utilizado de forma desenfreada com excesso de consultas, cirurgias e exames feitos pelos beneficiários, os custos em geral aumentam, e por consequência, o valor do plano também, porque impacta a operadora e os beneficiários.

Fora que a falta de qualidade de vida como má alimentação, tabagismo e excesso de álcool, impactam diretamente no resultado geral.

Por isso é tão importante cuidar da saúde.

Gestão de riscos trabalhando o foco de cuidado preventivo é bem eficaz para manter sua sinistralidade dentro do quadro positivo.

Há algumas variáveis que impactam a sinistralidade que, se você conhecer de antemão já consegue se prevenir:

A principal é o uso excessivo na alta frequência de exames, consultas, terapias, cirurgias e internações que por estar acima do uso ideal, impactam diretamente no sinistro.

Por esse motivo é que algumas empresas optam por utilizar a coparticipação (coparticipação é um plano onde além da mensalidade paga, é paga também uma porcentagem de cada atendimento).

A outra variável que pode interferir diretamente no custo diz respeito ao valor do prêmio (a mensalidade paga) algo que a maioria dos gestores de RH muitas vezes não se atentam.

Por vezes, o plano está muito mais “barato” que o geral, porém, o mesmo não cobre os custos assistenciais e ocorre geralmente quando as operadoras fazem dumping (um termo de mercado onde a operadora deseja crescimento rápido de carteira de clientes, porém não trabalha a rentabilidade).

Aí, no próximo reajuste, a conta fica bem mais alta que o esperado.

Fora essas variáveis, também existe outras pontuais que geram altos custos como UTI de longa permanência, pacientes com doenças terminais e acidentes graves que podem ocorrer, onde o monitoramento de cada caso é de extrema importância.

Quando as empresas contam com uma assessoria de uma gestão de benefícios, conseguem verificar prontamente os casos pontuais que possam estar contribuindo para o encarecimento do plano, tendo um diagnóstico correto dos pontos principais para correção e ação preventiva.

Programas de incentivo são grandes aliados para deixar sua sinistralidade em um nível saudável além de melhorar o clima organizacional da empresa também, pois atuam como prevenção e promoção à saúde. Afinal, equipe saudável torna uma empresa mais produtiva!

Portanto, fornecer benefícios para os colaboradores é proporcionar benefícios para sua própria empresa.

E a JRB&B pode te ajudar a escolher as melhores opções do mercado seja para planos ou seguros de saúde, ramos elementares, previdência, odontologia, vales refeição e alimentação.

Precisando de ajuda, só falar conosco!

Até a próxima.

Tags

top